Retrofitting: melhoria contínua do tratamento de água e efluentes
Edição Nº 36 - abril/maio de 2017 - Ano VI
Esta notícia já foi visualizada 1106 vezes.
Matéria patrocinada por:


Retrofitting: melhoria contínua do tratamento de água e efluentes



por Suzana Sakai

O atual cenário do Brasil apresenta boas oportunidades para uma atividade emergente no setor de saneamento básico e industrial: o retrofitting. Trata-se de uma técnica utilizada para aperfeiçoar a capacidade dos sistemas de tratamento de água e efluentes já existentes, que apresentem algum problema operacional ou que necessitem de alguma readequação ou adaptação. Com a crise econômica, o aumento da competitividade e as novas exigências ambientais, muitas empresas se viram diante da necessidade da reabilitação de seus sistemas, abrindo espaço para a expansão dessa atividade.
Retrofitting é um termo inglês que significa voltar ao estado de novo com a aparência original, adaptar, atualizar ou modernizar. Em tratamento de águas e efluentes, significa a adaptação ou adequação de uma planta de tratamento a novas condições de trabalho. “Retrofitting, na engenharia, é usado para designar uma modernização de um equipamento ou sistema já considerado ultrapassado ou fora de norma. Especificamente no mercado de águas, é uma maneira efetiva de modernização e aumento de produtividade com custo inferior ao de uma nova aquisição e/ou nova instalação”, indica Marcus Vallero, gerente de vendas da GE Water Process & Technologies.
Em sistemas de tratamento de águas e efluentes, o retrofitting deve ser utilizado sempre que a planta apresente problemas operacionais de não atendimento a novas condições operacionais ou a exigências ambientais. “Pode significar também a possibilidade de melhoria de condições operacionais de uma planta existente”, afirma o engenheiro e diretor geral da H2O Engenharia, Ademar Cesar M. Ferreira.
A técnica pode ser adotada em situações como alterações de processos produtivos, alterações de vazão, novas exigências legais e de segurança, novas metas de qualidade, depreciação de equipamentos, deficiências de controle, automação e instrumentação, entre outros. “Retrofitting é a técnica de utilizar um sistema existente para melhorar a capacidade dele, no caso específico do tratamento de efluentes e esgotos podemos considerar ocasiões como o aumento da exigência para lançamento no corpo receptor, quando o efluente precisa atingir níveis maiores de tratamento, como menor carga orgânica (DBO) ou situações em que a carga orgânica ou hidráulica de projeto do sistema é ultrapassada. Neste caso o tratamento necessita ser implementado com algumas tecnologias que podem torná-lo capaz de absorver estes excessos de carga”, explica o eng ...


AVISO

Para acessar esta matéria na íntegra é necessário estar logado.Clique aqui para realizar o seu cadastro!
Já tem login? clique aqui

Publicidade